Você sabe o que é a Doença Varicocele?

Dr. Daniel Suslik Zylbersztejn – CREMESP 131531
Marido da Sabrina e pai de dois meninos
Especialista em Reprodução Humana e em Infertilidade Masculina. Doutorado em 2011 pela UNIFESP, Assessor Médico em Reprodução Humana do Laboratório Fleury e médico do Hospital Israelita Albert Einstein. Diretor médico da DSZ Medicina Reprodutiva.
Instagram: dr.danielzylbersztejn
Site: www.dszmedicinareprodutiva.com.br

Texto sobre Varicocele escrito pelo Dr. Daniel Suslik Zylbersztejn e publicado originalmente no site Papo de Homem.
– Varico…o quê meu filho?
– Varicocele pai, eu tenho varicocele!!!! Você não tinha varicocele quando era jovem, pai? O médico acabou de me examinar e disse que preciso avaliar melhor esta doença, pois é a principal causa de infertilidade masculina nos casais que não conseguem engravidar…
– Que bobagem meu filho, acho que esta doença é mais uma que inventaram nestes tempos modernos! Nunca soube de ter essa “tal de varicocele” e nunca tive problemas para engravidar sua mãe…portanto relaxa e, se tiver problema para engravidar tua futura esposa, tenho certeza de que o problema será dela e não seu!

Este curto diálogo entre um pai e um filho adolescente, quase entrando na vida adulta jovem, mostra o quanto ainda existe de ignorância quanto aos cuidados da saúde masculina desde jovem e também de preconceito quanto as questões da infertilidade conjugal. Infelizmente ainda existe um dogma na sociedade que os problemas estão sempre relacionados a fatores femininos, como se os homens não compartilhassem em até 50% das causas de infertilidade conjugal.

Agora que entendemos que o homem tem uma importante parcela de contribuição no quadro de infertilidade do casal, fica mais fácil de entender a razão de falarmos sobre a varicocele. Ela é a causa de 40% dos homens não conseguiram engravidar suas parceiras e de até 80% dos homens que já tem filhos, mas que perderam o potencial reprodutivo e não conseguem mais engravidar. Importante ressaltar que apenas 20% dos homens diagnosticados por varicocele terão infertilidade, mas ainda sim estes números são expressivos o suficiente para esta doença gerar preocupação quanto a saúde reprodutiva masculina.

Mas se você ainda não está convencido de como esta doença pode atrapalhar a qualidade de vida do homem (e também do casal), novos estudos realizados nesta década podem ajudá-lo a mudar seu pensamento. Pesquisas clínicas em homens férteis com varicocele tem mostrado que a varicocele não afeta apenas o potencial reprodutivo do homem, mas pode também interferir negativamente com a produção de testosterona em homens suscetíveis, podendo gerar um quadro de andropausa pela queda de produção deste hormônio pelo testículo.

Mas o que seria a doença varicocele? Quando ela aparece? Ela causa algum sintoma, como dor? Como eu faço para detectar se eu tenho? E por que ela pode gerar infertilidade masculina?

A varicocele nada mais é do que um nome específico para a dilatação das veias testiculares associado ao refluxo de sangue. As mulheres apresentam muito frequentemente a mesma dilatação das veias das pernas, chamadas neste caso de varizes. Quando estas varizes ocorrem na região anal, chama-se então doença hemorroidária. Portanto, dependendo da região do organismo onde as veias estão doentes (dilatadas e com refluxo venoso), o nome pode mudar, podendo ser denominadas de puramente varizes (quando acomete as pernas), hemorróidas quando acomete a região anal e varicocele, quando acomete as veias da bolsa testicular.

O aparecimento na época da puberdade ocorre pelas transformações físicas e hormonais importantes desta fase da vida, com aumento dos níveis da testosterona, ganho de peso e de estatura de uma forma bastante acentuada. Em meninos com a pré-disposição de terem a fragilidade venosa, estas mudanças abruptas físicas e hormonais geram uma sobrecarga nas veias testiculares, que por sua vez acabam por dilatar e não manter sua integridade funcional, gerando o refluxo venoso. É muito comum o adolescente com o pai e o irmão mais velho com histórico de varicocele desenvolver a doença, mostrando também uma questão hereditária envolvida na sua gênese.

Mas como eu faço para saber se eu tenho ou não varicocele? Simples, basta apenas um exame físico. Sim, você leu super bem: esta doença pode ser diagnosticada facilmente em um simples exame físico de rotina já na adolescência, pois é neste período da vida que ela se desenvolve e se torna detectável clinicamente. A varicocele raramente traz algum sintoma (dor apenas em 10% dos casos), os adolescentes raramente vão ao urologista de forma rotineira e, portanto, a varicocele não é detectada nesta fase da vida pois não são examinados. Alguns adolescentes se sentem envergonhados quando a varicocele é muito grave, pois altera a “estética” da bolsa testicular e, neste período de descobertas sexuais, acabam procurando por ajuda médica para saber o motivo da alteração do escroto. Por “sorte”, estes adolescentes podem ter a varicocele detectada de forma precoce pelo urologista. O exame de ultrassom de bolsa testicular com doppler colorido, coberto por todos os planos de saúde, pode ser usado também para diagnóstico, mas sempre como avaliação complementar ao exame físico. Caso haja uma falha na detecção nesta fase da vida, o diagnóstico ocorrerá apenas na idade adulta na parcela da população masculina que se apresentará com dificuldade para engravidar suas parceiras.

Para entendermos melhor o motivo da varicocele gerar infertilidade no homem, convido o leitor a fazer duas analogias simples: com o motor de um carro e com um barril de chope! O testículo, tal qual um motor de um carro, precisa trabalhar sempre em uma temperatura adequada. Enquanto o motor de um carro precisa estar sempre abaixo de 100º C, o testículo para produzir bons espermatozoides precisa estar sempre a 2-3º C abaixo da temperatura corporal. Para isso, ambos usam um sistema de arrefecimento perfeito, que no testículo é dado especialmente pelas veias testiculares saudáveis, sem dilatação. A artéria testicular, enovelada entre as veias, tem o seu sangue resfriado por elas, por um mecanismo bastante semelhante ao que ocorre no barril de chope, em que a serpentina resfria o líquido até atingir a temperatura ótima para consumo. Quando as veias adoecem e aparece a varicocele, este sistema de resfriamento perfeito fica prejudicado, perdendo a capacidade de diminuir a temperatura testicular. Ao trabalhar em uma temperatura mais aquecida cronicamente, o testículo não vai “ferver” como ocorreria com um motor de um carro em situação similar, mas produzirá de forma gradativa espermatozoides em menos quantidade e em pior qualidade. Este é o famoso estresse oxidativo, fenômeno biológico tão em moda nos dias de hoje, em que ocorre uma produção em excesso de radicais livres de oxigênio e que levam a dano e a morte celular progressiva.

Felizmente, existe tratamento e a melhora da produção de espermatozoides ocorre na maioria dos casos, seja de forma quantitativa quando qualitativa. O tratamento da varicocele é sempre cirúrgico. Não existem remédios milagrosos, vitaminas ou exercícios físicos que possam tratar a varicocele. Uma vez diagnosticada, o urologista precisa identificar qual adolescente ou adulto possa se beneficiar do tratamento cirúrgico, pois como já destacamos, apenas 20% dos homens com varicocele terão prejuízo na fertilidade pela presença da doença. O restante dos homens com a varicocele não terá prejuízos e não precisarão serem operados.

Existem algumas técnicas cirúrgicas para a correção da varicocele, porém apenas uma técnica exibe os melhores resultados, podendo reaver a fertilidade com mais segurança. Esta técnica exige do cirurgião habilidades microcirúrgicas, pois necessita de uso de microscópio cirúrgico e pinças especiais. O uso do microscópio permite ao cirurgião tratar todas as veias doentes sem danificar outros vasos testiculares, como, por exemplo, a artéria testicular, principal vaso provedor de energia e oxigênio, vital para o bom funcionamento do testículo. O procedimento cirúrgico demora ao redor de 3 horas, com o paciente podendo ter alta 24hs após a cirurgia. O tratamento com microcirurgia permite também uma rápida recuperação física do paciente, com retorno as atividades normais após 5 dias e o retorno das atividades físicas em até 14 – 21 dias após o procedimento cirúrgico.

Uma das situações que mais trazem o homem adulto ao consultório médico do urologista é a infertilidade masculina. Para a grande maioria destes homens, a única saída viável para alcançar uma gravidez será a realização de um tratamento de fertilização assistida, extremamente custoso do ponto de vista psicológico para o casal e também do ponto de vista econômico (pode custar mais de R$ 20.000,00 por apenas um tratamento). Importante lembrar que as taxas de sucesso no tratamento de fertilização in vitro alcançam no máximo 60% nas melhores clínicas de reprodução humana. Mesmo que o homem não volte a recuperar todo o seu potencial reprodutivo para conseguir uma gravidez natural, o uso destes espermatozoides em tratamentos de fertilização in vitro melhoram as taxas de gravidez, devido a melhora na qualidade do gameta produzido pelo testículo, agora sem a presença do estresse oxidativo.

A varicocele é uma doença que se caracteriza por ser tempo-dependente, ou seja: quanto maior o tempo de existência, pior será para a função do testículo. Desta maneira, a detecção precoce de varicocele nos homens enquanto ainda adolescentes é a melhor maneira de prevenir a infertilidade na vida adulta, pois a correção cirúrgica da varicocele ainda durante o desenvolvimento testicular pode recuperar o potencial de produção de espermatozoides e permitir ao homem manter seu potencial fértil no futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat